PROJETO


Objetivo da parceria

O Projeto Restaurando o Cerrado – Maranhão, implantado a partir de janeiro de 2023, tem prazo de execução de 60 meses, com término em dezembro de 2027.

O projeto é executado em nove propriedades, no município de Urbano Santos, estado do Maranhão. No decorrer do projeto, serão utilizados os métodos de restauração florestal, como regeneração natural, regeneração assistida, enriquecimento, semeadura direta, plantio de mudas e sistema agroflorestal.

O projeto tem como finalidade a restauração de áreas degradadas no bioma Cerrado, priorizando as áreas de reservas legais e áreas de proteção permanente, com foco na restauração florestal e recuperação dos recursos hídricos.

Objetivos do projeto

Cronograma das fases do projeto

Localização geográfica

Urbano Santos, Maranhão

Características socioeconômicas do município

Localizado na mesorregião do Leste Maranhense, na microrregião de Chapadinha, o município de Urbano Santos, no Maranhão, pertence à nova área de expansão do agronegócio regional. 

O município é o 50º maior produtor de soja e o 142º de milho do Estado. São produzidos também: mandioca, cana-de-açúcar e arroz.

A área do projeto está inserida na cadeia produtiva de soja, e definida como área prioritária para restauração florestal pela Cargill.

Características da paisagem regional

O município encontra-se inserido no bioma cerrado. As árvores desse bioma são muito peculiares, com troncos tortos, cobertos por uma cortiça grossa, cujas folhas são geralmente grandes e rígidas.

Locais beneficiados

As intervenções de recuperação ambiental serão em 1212,88 ha de Área de Reserva Legal (ARL) e 15,91 ha em Áreas de Preservação Permanente (APP).

As propriedades são:

  • Fazenda Santa Isabel I Gleba Jacu

  • Fazenda Guariba II e Silva II

  • Fazenda São João

  • Fazenda Minas Gerais

  • Fazenda Prata

  • Fazenda Oliveira

  • Fazenda Silva I

  • Fazenda São Bernardo (e outras)

As nove propriedades participantes possuem 3.465 ha de área agrícola e estão inteiramente inseridas na área da Unidade de Conservação APA Upaon-Açu/Miritiba/Alto Preguiças de esfera jurisdicional estadual.

Fatores de degradação

  • Desmatamento severo das áreas de reserva legal.
  • Presença de animais domésticos, bovinos e equinos, que disseminam gramíneas exóticas, causando contaminação biológica.
  • Solo exposto e presença de processos erosivos.
  • Incêndios florestais anuais, nos meses mais secos do ano, que causam o empobrecimento do solo e eliminação do banco de plântulas e sementes.

Ações de prevenção

Isolamento dessas áreas (cercamento e aceiros) e restauração florestal nativa.

Equipe técnica

Claudio Antonio Leal

Coordenador Geral

Micael Lincoln Cardoso Paz

Coordenador Financeiro

Maria Cristina Apolinario Farias Leal

Coordenadora Socioambiental

Severino Apolinario da Silva

Coordenador de Logística

Marcio da Silva Mendes

Coordenador de Geoprocessamento

Romildo Klippel

Engenheiro Florestal

Gustavo Cerqueira Rezende

Articulador Técnico

Dariene da Silva Oliveira Fortes

Técnica Administrativa

Rafaela Martins da Silva

Especialista em Crédito de Carbono

Laercio Couto

Engenheiro Florestal Senior

Rayane Luiza da Silva de Melo

Educadora Ambiental

Felipe Flávio José Duarte Figna

Técnico Socioambiental

José Rafael Teixeira da Silva

Técnico Agropecuário

INSTITUTO IBRAMAR

Endereço: Rua Henrique Laranja, Edifício Le Bureau,
nº 330, sala 305, Centro, Vila Velha – ES, CEP: 29100-350
Tel/Fax: (27)3063-7176 / (27)3075-7178
Cel/Whatsapp: (27)99975-7176
CNPJ: 10.468.208/0001-93

INSTITUTO IBRAMAR

Endereço: Rua Henrique Laranja, Edifício Le Bureau,
nº 330, sala 305, Centro, Vila Velha – ES, CEP: 29100-350
Tel/Fax: (27)3063-7176 / (27)3075-7178
Cel/Whatsapp: (27)99975-7176
CNPJ: 10.468.208/0001-93